Mercado Farmacêutico: O que é?, Como funciona? e por quê ter expectativas para 2020

O mercado farmacêutico é um setor que está sempre buscando por inovações e desenvolvimento de tecnologias.

Essa inovação vem tanto em relação aos produtos fabricados pela indústrias farmacêuticas, quanto nas tecnologias e pesquisas clinicas para desenvolvimento de novos medicamentos e moléculas que são utilizadas para atingir os resultados desejados em questão qualidade: melhor eficácia, adesão ao tratamento, novos protocolos, redução de preços, entre outros que impactam toda população brasileira.

Há cerca de 5 anos, o mercado farmacêutico vem passando por grandes mudanças e, especialmente no Brasil, o seu crescimento foi impulsionado por conta dos medicamentos genéricos, que se popularizaram cada vez mais devido seu preço acessível sem perder a eficiência do remédio.

Segundo relatórios de Comercialização enviados à CMED (Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos) da ANVISA são mais de R$76 bilhões de faturamento em 2018 de medicamentos que compõem a lista CMED.

De acordo com dados da QuintilesIMS Institute em 2017 o faturamento das farmácias em todo o Brasil foi de R$57 bilhões. Como consequência desses números, diversas redes farmacêuticas aproveitaram o ano de 2018 para expandir sua atuação.

Para quem se interessa pelo mercado farmacêutico, existem duas perspectivas que podem ser vistas: a supervalorização da concorrência e, em contrapartida, um grande potencial do segmento e do seu crescimento, que deve perdurar em alta pelos próximos anos.

Neste artigo, vamos discorrer mais sobre o conceito de mercado farmacêutico, as estratégias para o setor e as expectativas para o ano de 2020. Acompanhe.

A indústria e o mercado farmacêutico, em grande parte, são responsáveis pela produção de medicamentos. Entretanto, o setor também é responsável por atividades de desenvolvimento, pesquisa, comercialização, negociação com as farmácias e distribuição de medicamentos.

Grande parte das indústrias farmacêuticas surgiu no final do século 19 e início do século 20, embora as principais descobertas e desenvolvimento tenham acontecido nas décadas de 1920 e 1930.

Inclusive, até meados da década de 1930, cerca de seis medicamentos eram adicionados à farmacopeia americana. Ainda, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), até meados da década de 1940, a indústria do mercado farmacêutico concentrava-se exclusivamente na manufatura orientada de medicamentos e outros produtos já existentes.

Hoje, a indústria farmacêutica fabrica e comercializa produtos e medicamentos somente após a descoberta, muitas pesquisa e testes – processo que normalmente leva meses e até mesmo anos de investimentos de recursos para pesquisas. Vale ressaltar que esses recursos investidos são embutidos nos preços dos medicamentos. Desta forma, os consumidores do mercado farmacêutico também contribuem para o aumento do investimento em pesquisas.

Também existe outra opção para as indústrias obterem investimentos para pesquisa, por meio de royalities – quantia paga por alguém a determinado proprietário pelo direito de uso, exploração e comercialização de um produto ou bem.

Portanto, depois de pesquisas, uma nova fórmula que é descoberta gera um novo medicamento no mercado e a empresa idealizadora do produto busca a proteção desse produto através de patentes. Logo, para que outras empresas possam produzir e comercializar tal medicamento (como o que acontece com os genéricos) precisam pagar royalities à empresa que desenvolveu a fórmula.

3.    Origem do mercado farmacêutico

No período entre os anos de 1890 a 1950 a indústria química do mercado farmacêutico brasileiro nasceu e começou a se desenvolver. No entanto, quando comparada aos países europeus, que no século 19 já possuíam avanços notáveis, seu desenvolvimento e avanço são considerados um tanto quanto tardios.

Até a década de 1970, o varejo farmacêutico era composto principalmente por lojas independentes e de gestão familiar, ou seja, comandada por pais e filhos, casais e pessoas da mesma família de um modo geral.

Desta forma, ainda que o profissional farmacêutico e empresário acumulasse, principalmente, a função de dono da loja, ele também conseguia manter uma relação próxima e de amizade com os clientes. Muitas vezes, os farmacêuticos dessa época eram considerados os “médicos” das famílias, uma vez que estavam aptos e habituados a tratar problemas de saúdes corriqueiros, como gripes, resfriados, entre outros. Ainda hoje esse modelo de farmácia existe, principalmente quando as lojas são compostas e geridas por profissionais farmacêuticos mais velhos – embora em menor quantidade.

Portanto, pode-se dizer que o Brasil teve grande importância e participação no desenvolvimento da indústria farmacêutica, principalmente no que diz respeito ao incentivo. Principalmente a produção de soro, vacina e medicamentos deram-se por meio deste incentivo.

Entretanto, na década seguinte, uma forte crise abalou o país e trouxe muitas mudanças ao setor. A inflação acabou obrigando o farmacêutico a se afastar do cuidado com os pacientes para tornar-se empresário. Por isso, aqueles que conseguiram sobreviver após a crise, puderam acompanhar a criação do Plano Real, em 1944.

Depois disso, a mudança da moeda trouxe mais estabilidade econômica e permitiu ao mercado farmacêutico iniciar uma nova era. E desde então ele continua se expandindo.

4.    Como funciona o mercado farmacêutico?

As empresas detentoras do registro de medicamentos podem comercializar seus produtos por meio de cinco diferentes tipos de canais de distribuição: distribuidores, farmácias e drogarias privadas, estabelecimentos privados de saúde, governo ou outros destinatários. A venda direta ao Governo é feita por meio de órgãos ou entidades da Administração Pública Federal, Estadual ou Municipal que adquirem o medicamento por licitação para pública para compra pública ou solicitações de urgência.

A capilaridade entre os elos da cadeia de distribuição de medicamentos segue rígidas normas de rastreabilidade e controle de qualidade.

Dessa forma, o funcionamento do mercado farmacêutico, assim como outros segmentos, passa por uma cadeia de produção, distribuição, comércio e consumo como outros mercados, entretanto cabe trazer algumas definições:

  • CMED – Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos.
  • Distribuidor – empresas que exerçam, direta ou indiretamente, o comércio atacadista de medicamentos em suas embalagens originais, nos termos do Comunicado CMED nº 7/2015.
  • Drogaria – estabelecimento de dispensação e comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos em suas embalagens originais (Lei nº 13.021/2014).
  • Empresa Farmacêutica – pessoa jurídica detentora do registro do medicamento na Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa.
  • Estabelecimento privado de saúde – hospitais, clínicas ou quaisquer instituições privadas destinadas à realização de ações e/ou serviços de saúde, coletiva ou individual, qualquer que seja o seu porte ou nível de complexidade.
  • Farmácia – unidade de prestação de serviços destinada a conceder assistência farmacêutica, assistência à saúde e orientação sanitária individual e coletiva, na qual se processe a manipulação e/ou dispensação de medicamentos magistrais, oficinais, farmacopeicos ou industrializados, cosméticos, insumos farmacêuticos, produtos farmacêuticos e correlatos. (Lei nº 13.021/2014).
  • Governo – no contexto desse anuário são órgãos ou entidades da Administração Pública Federal, Estadual ou Municipal, que adquirem o medicamento por meio de qualquer tipo de compra pública (Comunicado CMED n. 7/2015).
  • Outros estabelecimentos – quaisquer outros estabelecimentos que não se enquadrem em Governo, distribuidores, estabelecimentos privados de saúde e farmácias e drogarias privadas (Comunicado CMED nº 7/2015).

5.    Quais são os números do mercado farmacêutico?

Abaixo listamos alguns dados sobre o panorama do mercado farmacêutico de um modo geral.

Mercado farmacêutico mundial

No panorama do mercado farmacêutico mundial, o Brasil deve subir duas posições no ranking mundial até 2023, pulando para 5ª posição, sendo que até 2018 encontrava-se na 7ª posição.

Por um lado, as dimensões continentais favorecem o destaque do Brasil, isso porque há um mercado expressivo que contribui para tal. Mas, por outro lado, as dificuldades de acesso existentes no Brasil, impedem o país de ocupar uma posição ainda mais elevada no ranking.

Em primeiro lugar no ranking, encontra-se os Estados Unidos, em segundo a China, em terceiro o Japão e em quarto a Alemanha.

Indústrias no Brasil

No ranking das indústrias no Brasil, entre as 10 empresas com maior faturamento no país, seis são indústrias nacionais. Além disso, faturamento das cinco principais empresas líderes do ranking equivale a 82,5% do faturamento das demais 15 empresas, sendo elas a Ache, EMS Pharma, Eurofarma, Sanofi e Novartis.

Medicamentos mais vendidos do Brasil

O relaxante muscular Dorflex – comumente conhecido – é o medicamento mais vendido no Brasil. E o medicamento para tratar tromboembolismo venoso profundo, Xarelto, vem em segundo lugar. Juntos, eles possuem vendas, significativamente, mais expressivas que o terceiro colocado no ranking mundial, o medicamento Saxenda, que atua como um auxiliar no tratamento de obesidade. Essa diferença chega até a casa dos 95%.

Varejo brasileiro

Já o varejo farmacêutico brasileiro cresceu cerca de 10% em 2018, alcançando a marca de R$62,4 bilhões de faturamento. Já o mercado farmacêutico, de um modo geral, cresceu 11% em 2018, chegando a marca de R$90 bilhões.

6.    Como fazer parte do mercado farmacêutico?

Para uma empresa ingressar e fazer parto do mercado farmacêutico, ela deve estar legalizada e regularizada nos órgãos reguladores do setor. Sem exceção, todas as atividades relacionadas a medicamentos passam previamente pelas exigências e autorização ANVISA.

Como condição mandatória as empresas que realizem armazenamento, distribuição, embalagem, expedição, exportação, extração, fabricação, fracionamento, importação, produção, purificação, reembalagem, síntese, transformação e transporte, deverão obter autorização de funcionamento de empresa (AFE) junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Nesse sentido, uma consultoria pode auxiliar o empresário a se informar e atualizar sobre assuntos regulatórios.

Abaixo estão as opções de modelos de negócios farmacêuticos mais populares e bem-sucedidos no Brasil.

  • Farmácias de rede;
  • Farmácias de manipulação;
  • Franquias de drogaria;
  • Franquias de farmácia magistral;
  • Associativismo de farmácias e drogarias;
  • Farmácias independentes;
  • Farmácias online.

O importante mesmo é que o empresário encontre o ramo de atuação que mais se adeque às suas perspectivas e que se mantenha sempre otimista e preparado para os desafios que o mercado farmacêutico enfrenta. É importante ainda ressaltar nesse sentido que o Brasil é visto pelo mercado farmacêutico institucional como um país realmente diferenciado no setor.

7.    Tipos de oportunidades no mercado farmacêutico

Com a expansão do mercado farmacêutico e o crescimento de vendas acima da inflamação, além do retorno do crescimento econômico do Brasil, que é um fator extremamente importante para que o setor possa resgatar e manter o patamar de crescimento, existem diversas oportunidades para quem deseja investir e apostar no ramo.

Por isso, dentro desse mercado há categorias que apresentam grande oportunidade de crescimento, como a aposta em Nutracêuticos e produtos dos segmentos Fitness/Wellness Nutrition. De acordo com dados da Euromonitor, o mercado fitness deve movimentar R$27 bilhões até 2020 no Brasil.

A pesquisa também aponta que o mercado de suplementos alimentares no Brasil gira em torno de US$ 400 milhões, e dentro deste valor US$ 13 milhões são destinados a suplementos voltados especificamente para a beleza e estética. Esses dados indicam que se houver empenho dos empresários na gestão desses itens, a chance de crescimento e sucesso é grande.

Além disso, tornar as farmácias “centros de conveniência” de bem-estar, saúde e qualidade de vida, ofertando além de medicamentos, produtos que possam oferecer comodidade aos clientes também é uma ótima aposta.

Outra oportunidade de sucesso no segmento é apostar na farmácia como uma espécie de consultório farmacêutico básico, contando com especialistas em diabetes, hipertensão, vacinação, primeiros socorros e até mesmo controle de obesidade para prestar auxílio aos clientes. E, além disso, oferecer os medicamentos necessários para atender o cliente e cuidar da manutenção da sua saúde.

8.    Estratégias de como criar um plano para o mercado farmacêutico

Toda empresa precisa de um plano de negócios para traçar suas metas de desenvolvimento e otimização dos processos. O mesmo acontece com o mercado farmacêutico.

O planejamento estratégico é quem dita as diretrizes de ataque e ação que serão tomadas pelas empresas do mercado farmacêutico. Por isso, a elaboração dele é o primeiro passo para que as farmácias, laboratórios ou indústrias, por exemplo, tracem suas metas e trabalhem para que as mesmas sejam atingidas. Essa ação, sem dúvida, reduz o risco de os empresários tomarem decisões equivocadas ou sem conhecimento suficiente que possam comprometer de alguma forma a saúde financeira do negócio.

Além disso, é necessário também estabelecer estratégias de previsão e antecipação. Isto é, analisar previamente todos os fatores internos ou externos que possam de alguma maneira afetar a normalidade do negócio.

A título de exemplo podemos citar uma crise econômica no país – como já aconteceu –, parada no sistema, queda de energia elétrica na região em que a empresa está localizada, ou qualquer outro fator. É necessário, portanto, antever todos esses riscos para que se porventura algum deles aconteça, a empresa estará preparada para lidar com isso.

Vale ressaltar que a antecipação e previsão também têm a ver com risco financeiro, e nesse sentido a ajuda de um profissional contábil é essencial, sem dispensar uma boa gestão, é claro. Assim você não corre o risco de se deparar com um fluxo de caixa deficitário no fim do mês/ano.

Outro fator essencial também é contar com o auxílio e consultoria de um profissional regulatório ANVISA. Assim, é possível tratar de assuntos regulatórios que nem sempre os empresários farmacêuticos possuem conhecimento no início. Isso para poder ficar em conformidade com as exigências da ANVISA, como autorização ANVISA, alvará de funcionamento, entre outras questões.

9.    As vantagens do mercado farmacêutico

Uma das principais vantagens do mercado farmacêutico é que mesmo diante da instabilidade econômica do Brasil, o setor abre novas portas para investimento e permanece em constante ascensão no mercado econômico.

Na contramão de diversos setores econômicos, o mercado farmacêutico vem despontando na lista de maior faturamento nacional.

Esse aumento está ligado diretamente relacionado ao aumento da expectativa de vida, maior preocupação da população com a saúde, avanços tecnológicos, crescimento no mercado de genéricos, gestão competitiva das indústrias, avanço da biotecnologia e lançamentos e fusões e aquisições.

Portanto, atualmente, entre as principais vantagens do setor podemos citar:

  • Crescimento da indústria farmacêutica – já que o mercado farmacêutico brasileiro teve um período de auge nos últimos dez anos;
  • Abertura de novas plantas – isto é, novas plantas de desenvolvimento e produção dentro e fora do país, como a Biolab Farmacêutica, laboratório com capital 100% nacional, que investirá cerca de R$450 milhões em um moderno complexo industrial para produção de 200 milhões de unidades/ano de várias classes de medicamentos, em Pouso Alegre, no Sul de Minas Gerais;
  • Aumento da capacidade produtiva – uma vez que a população brasileira busca cada vez mais por produtos farmacêuticos;
  • Estratégias de internacionalização – que tem como objetivo elevar o potencial do mercado farmacêutico brasileiro para outros países, ganhando assim mais agilidade e eficiência nas pesquisas e desenvolvimento de novas tecnologias e fórmulas.

10.                   Como saber se o mercado farmacêutico está dando certo para seu negócio?

O conceito de sucesso é relativo, não é mesmo? Mas, para saber mesmo se o seu negócio está indo bem no mercado farmacêutico é preciso analisar os números. Como dito anteriormente, é controle de fluxo de caixa que determinará se ele está sendo superavitário ou não. A partir do planejamento e controle do plano estratégico elaborado no início você conseguirá determinar se o seu negócio está dando certo ou não.

As metas estão sendo atingidas? As estimativas em faturamento e lucro estão sendo alcançadas? Há perspectivas de crescimento e expansão do negócio? Respondendo a essas questões rapidamente já é possível ter uma noção se o negócio está satisfatório ou não.

Todos os números apontados neste conteúdo são positivos em relação ao mercado farmacêutico, desta forma, se o seu negócio apresenta dados opostos, certamente algo não está certo e esse é o momento de procurar um profissional para prestar uma consultoria ou mentoria para ajudar o seu negócio a crescer com solidez financeira.

Entretanto, vale ressaltar ainda que um dos melhores termômetros para medir se o negócio está dando certo ou não é, além do profissional ser feliz e realizado com o que faz, ter um bom atendimento ao cliente e perceber esse reconhecimento por parte deles. Somados todos esses fatores, é possível ter um balanço do posicionamento do seu negócio no mercado farmacêutico e analisar se ele é positivo ou não.

11. Conclusão: Expectativas do mercado farmacêutico para 2020

Num panorama mundial, o mercado farmacêutico deve movimentar R$1,3 trilhão até 2020, já que há uma crescente demanda por medicamentos e tratamentos preventivos. Além disso, o Brasil deve subir duas posições no ranking mundial até 2023, pulando para 5ª posição, sendo que até 2018 encontrava-se na 7ª posição.

A expectativa é que para 2020 em vez da indústria farmacêutica tratar exclusivamente populações doentes, o foco maior seja em prevenir doenças das populações ainda saudáveis. Entrando assim no domínio da gestão de saúde, com a ação de programas de bem-estar, vacinações, acompanhamento, monitoração e outros serviços com valor agregado. Como mencionamos anteriormente no conteúdo, o intuito é transformar as farmácias em consultórios farmacêuticos básicos capazes de atender as demandas simples da população

Desta forma, a cooperação internacional pode vir ainda em 2020 produzir um sistema regulatório que seria administrado por agências nacionais que garantiriam que os novos tratamentos e serviços oferecidos atendessem às demandas e as necessidades dos pacientes em seus territórios.

Por hora, só resta acompanhar as perspectivas positivas para o setor – que não são poucas – e para aqueles que já possuem seus negócios, se adequarem às tendências de 2020 e dos próximos anos, e para quem está começando a investir agora, aproveitar as inúmeras oportunidades e vantagens que o mercado farmacêutico tem proporcionado, se adequar e ter diferenciais competitivos para se destacar no setor.

O que é mercado farmacêutico?

A indústria e o mercado farmacêutico, em grande parte, são responsáveis pela produção de medicamentos. Entretanto, o setor também é responsável por atividades de desenvolvimento, pesquisa, comercialização, negociação com as farmácias e distribuição de medicamentos.

Grande parte das indústrias farmacêuticas surgiu no final do século 19 e início do século 20, embora as principais descobertas e desenvolvimento tenham acontecido nas décadas de 1920 e 1930.

Inclusive, até meados da década de 1930, cerca de seis medicamentos eram adicionados à farmacopeia americana. Ainda, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), até meados da década de 1940, a indústria do mercado farmacêutico concentrava-se exclusivamente na manufatura orientada de medicamentos e outros produtos já existentes.

Hoje, a indústria farmacêutica fabrica e comercializa produtos e medicamentos somente após a descoberta, muitas pesquisa e testes – processo que normalmente leva meses e até mesmo anos de investimentos de recursos para pesquisas. Vale ressaltar que esses recursos investidos são embutidos nos preços dos medicamentos. Desta forma, os consumidores do mercado farmacêutico também contribuem para o aumento do investimento em pesquisas.

Também existe outra opção para as indústrias obterem investimentos para pesquisa, por meio de royalities – quantia paga por alguém a determinado proprietário pelo direito de uso, exploração e comercialização de um produto ou bem.

Portanto, depois de pesquisas, uma nova fórmula que é descoberta gera um novo medicamento no mercado e a empresa idealizadora do produto busca a proteção desse produto através de patentes. Logo, para que outras empresas possam produzir e comercializar tal medicamento (como o que acontece com os genéricos) precisam pagar royalities à empresa que desenvolveu a fórmula.

3.    Origem do mercado farmacêutico

No período entre os anos de 1890 a 1950 a indústria química do mercado farmacêutico brasileiro nasceu e começou a se desenvolver. No entanto, quando comparada aos países europeus, que no século 19 já possuíam avanços notáveis, seu desenvolvimento e avanço são considerados um tanto quanto tardios.

Até a década de 1970, o varejo farmacêutico era composto principalmente por lojas independentes e de gestão familiar, ou seja, comandada por pais e filhos, casais e pessoas da mesma família de um modo geral.

Desta forma, ainda que o profissional farmacêutico e empresário acumulasse, principalmente, a função de dono da loja, ele também conseguia manter uma relação próxima e de amizade com os clientes. Muitas vezes, os farmacêuticos dessa época eram considerados os “médicos” das famílias, uma vez que estavam aptos e habituados a tratar problemas de saúdes corriqueiros, como gripes, resfriados, entre outros. Ainda hoje esse modelo de farmácia existe, principalmente quando as lojas são compostas e geridas por profissionais farmacêuticos mais velhos – embora em menor quantidade.

Portanto, pode-se dizer que o Brasil teve grande importância e participação no desenvolvimento da indústria farmacêutica, principalmente no que diz respeito ao incentivo. Principalmente a produção de soro, vacina e medicamentos deram-se por meio deste incentivo.

Entretanto, na década seguinte, uma forte crise abalou o país e trouxe muitas mudanças ao setor. A inflação acabou obrigando o farmacêutico a se afastar do cuidado com os pacientes para tornar-se empresário. Por isso, aqueles que conseguiram sobreviver após a crise, puderam acompanhar a criação do Plano Real, em 1944.

Depois disso, a mudança da moeda trouxe mais estabilidade econômica e permitiu ao mercado farmacêutico iniciar uma nova era. E desde então ele continua se expandindo.

4.    Como funciona o mercado farmacêutico?

As empresas detentoras do registro de medicamentos podem comercializar seus produtos por meio de cinco diferentes tipos de canais de distribuição: distribuidores, farmácias e drogarias privadas, estabelecimentos privados de saúde, governo ou outros destinatários. A venda direta ao Governo é feita por meio de órgãos ou entidades da Administração Pública Federal, Estadual ou Municipal que adquirem o medicamento por licitação para pública para compra pública ou solicitações de urgência.

A capilaridade entre os elos da cadeia de distribuição de medicamentos segue rígidas normas de rastreabilidade e controle de qualidade.

Dessa forma, o funcionamento do mercado farmacêutico, assim como outros segmentos, passa por uma cadeia de produção, distribuição, comércio e consumo como outros mercados, entretanto cabe trazer algumas definições:

  • CMED – Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos.
  • Distribuidor – empresas que exerçam, direta ou indiretamente, o comércio atacadista de medicamentos em suas embalagens originais, nos termos do Comunicado CMED nº 7/2015.
  • Drogaria – estabelecimento de dispensação e comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos em suas embalagens originais (Lei nº 13.021/2014).
  • Empresa Farmacêutica – pessoa jurídica detentora do registro do medicamento na Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa.
  • Estabelecimento privado de saúde – hospitais, clínicas ou quaisquer instituições privadas destinadas à realização de ações e/ou serviços de saúde, coletiva ou individual, qualquer que seja o seu porte ou nível de complexidade.
  • Farmácia – unidade de prestação de serviços destinada a conceder assistência farmacêutica, assistência à saúde e orientação sanitária individual e coletiva, na qual se processe a manipulação e/ou dispensação de medicamentos magistrais, oficinais, farmacopeicos ou industrializados, cosméticos, insumos farmacêuticos, produtos farmacêuticos e correlatos. (Lei nº 13.021/2014).
  • Governo – no contexto desse anuário são órgãos ou entidades da Administração Pública Federal, Estadual ou Municipal, que adquirem o medicamento por meio de qualquer tipo de compra pública (Comunicado CMED n. 7/2015).
  • Outros estabelecimentos – quaisquer outros estabelecimentos que não se enquadrem em Governo, distribuidores, estabelecimentos privados de saúde e farmácias e drogarias privadas (Comunicado CMED nº 7/2015).

5.    Quais são os números do mercado farmacêutico?

Abaixo listamos alguns dados sobre o panorama do mercado farmacêutico de um modo geral.

Mercado farmacêutico mundial

No panorama do mercado farmacêutico mundial, o Brasil deve subir duas posições no ranking mundial até 2023, pulando para 5ª posição, sendo que até 2018 encontrava-se na 7ª posição.

Por um lado, as dimensões continentais favorecem o destaque do Brasil, isso porque há um mercado expressivo que contribui para tal. Mas, por outro lado, as dificuldades de acesso existentes no Brasil, impedem o país de ocupar uma posição ainda mais elevada no ranking.

Em primeiro lugar no ranking, encontra-se os Estados Unidos, em segundo a China, em terceiro o Japão e em quarto a Alemanha.

Indústrias no Brasil

No ranking das indústrias no Brasil, entre as 10 empresas com maior faturamento no país, seis são indústrias nacionais. Além disso, faturamento das cinco principais empresas líderes do ranking equivale a 82,5% do faturamento das demais 15 empresas, sendo elas a Ache, EMS Pharma, Eurofarma, Sanofi e Novartis.

Medicamentos mais vendidos do Brasil

O relaxante muscular Dorflex – comumente conhecido – é o medicamento mais vendido no Brasil. E o medicamento para tratar tromboembolismo venoso profundo, Xarelto, vem em segundo lugar. Juntos, eles possuem vendas, significativamente, mais expressivas que o terceiro colocado no ranking mundial, o medicamento Saxenda, que atua como um auxiliar no tratamento de obesidade. Essa diferença chega até a casa dos 95%.

Varejo brasileiro

Já o varejo farmacêutico brasileiro cresceu cerca de 10% em 2018, alcançando a marca de R$62,4 bilhões de faturamento. Já o mercado farmacêutico, de um modo geral, cresceu 11% em 2018, chegando a marca de R$90 bilhões.

6.    Como fazer parte do mercado farmacêutico?

Para uma empresa ingressar e fazer parto do mercado farmacêutico, ela deve estar legalizada e regularizada nos órgãos reguladores do setor. Sem exceção, todas as atividades relacionadas a medicamentos passam previamente pelas exigências e autorização ANVISA.

Como condição mandatória as empresas que realizem armazenamento, distribuição, embalagem, expedição, exportação, extração, fabricação, fracionamento, importação, produção, purificação, reembalagem, síntese, transformação e transporte, deverão obter autorização de funcionamento de empresa (AFE) junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Nesse sentido, uma consultoria pode auxiliar o empresário a se informar e atualizar sobre assuntos regulatórios.

Abaixo estão as opções de modelos de negócios farmacêuticos mais populares e bem-sucedidos no Brasil.

  • Farmácias de rede;
  • Farmácias de manipulação;
  • Franquias de drogaria;
  • Franquias de farmácia magistral;
  • Associativismo de farmácias e drogarias;
  • Farmácias independentes;
  • Farmácias online.

O importante mesmo é que o empresário encontre o ramo de atuação que mais se adeque às suas perspectivas e que se mantenha sempre otimista e preparado para os desafios que o mercado farmacêutico enfrenta. É importante ainda ressaltar nesse sentido que o Brasil é visto pelo mercado farmacêutico institucional como um país realmente diferenciado no setor.

7.    Tipos de oportunidades no mercado farmacêutico

Com a expansão do mercado farmacêutico e o crescimento de vendas acima da inflamação, além do retorno do crescimento econômico do Brasil, que é um fator extremamente importante para que o setor possa resgatar e manter o patamar de crescimento, existem diversas oportunidades para quem deseja investir e apostar no ramo.

Por isso, dentro desse mercado há categorias que apresentam grande oportunidade de crescimento, como a aposta em Nutracêuticos e produtos dos segmentos Fitness/Wellness Nutrition. De acordo com dados da Euromonitor, o mercado fitness deve movimentar R$27 bilhões até 2020 no Brasil.

A pesquisa também aponta que o mercado de suplementos alimentares no Brasil gira em torno de US$ 400 milhões, e dentro deste valor US$ 13 milhões são destinados a suplementos voltados especificamente para a beleza e estética. Esses dados indicam que se houver empenho dos empresários na gestão desses itens, a chance de crescimento e sucesso é grande.

Além disso, tornar as farmácias “centros de conveniência” de bem-estar, saúde e qualidade de vida, ofertando além de medicamentos, produtos que possam oferecer comodidade aos clientes também é uma ótima aposta.

Outra oportunidade de sucesso no segmento é apostar na farmácia como uma espécie de consultório farmacêutico básico, contando com especialistas em diabetes, hipertensão, vacinação, primeiros socorros e até mesmo controle de obesidade para prestar auxílio aos clientes. E, além disso, oferecer os medicamentos necessários para atender o cliente e cuidar da manutenção da sua saúde.

8.    Estratégias de como criar um plano para o mercado farmacêutico

Toda empresa precisa de um plano de negócios para traçar suas metas de desenvolvimento e otimização dos processos. O mesmo acontece com o mercado farmacêutico.

O planejamento estratégico é quem dita as diretrizes de ataque e ação que serão tomadas pelas empresas do mercado farmacêutico. Por isso, a elaboração dele é o primeiro passo para que as farmácias, laboratórios ou indústrias, por exemplo, tracem suas metas e trabalhem para que as mesmas sejam atingidas. Essa ação, sem dúvida, reduz o risco de os empresários tomarem decisões equivocadas ou sem conhecimento suficiente que possam comprometer de alguma forma a saúde financeira do negócio.

Além disso, é necessário também estabelecer estratégias de previsão e antecipação. Isto é, analisar previamente todos os fatores internos ou externos que possam de alguma maneira afetar a normalidade do negócio.

A título de exemplo podemos citar uma crise econômica no país – como já aconteceu –, parada no sistema, queda de energia elétrica na região em que a empresa está localizada, ou qualquer outro fator. É necessário, portanto, antever todos esses riscos para que se porventura algum deles aconteça, a empresa estará preparada para lidar com isso.

Vale ressaltar que a antecipação e previsão também têm a ver com risco financeiro, e nesse sentido a ajuda de um profissional contábil é essencial, sem dispensar uma boa gestão, é claro. Assim você não corre o risco de se deparar com um fluxo de caixa deficitário no fim do mês/ano.

Outro fator essencial também é contar com o auxílio e consultoria de um profissional regulatório ANVISA. Assim, é possível tratar de assuntos regulatórios que nem sempre os empresários farmacêuticos possuem conhecimento no início. Isso para poder ficar em conformidade com as exigências da ANVISA, como autorização ANVISA, alvará de funcionamento, entre outras questões.

9.    As vantagens do mercado farmacêutico

Uma das principais vantagens do mercado farmacêutico é que mesmo diante da instabilidade econômica do Brasil, o setor abre novas portas para investimento e permanece em constante ascensão no mercado econômico.

Na contramão de diversos setores econômicos, o mercado farmacêutico vem despontando na lista de maior faturamento nacional.

Esse aumento está ligado diretamente relacionado ao aumento da expectativa de vida, maior preocupação da população com a saúde, avanços tecnológicos, crescimento no mercado de genéricos, gestão competitiva das indústrias, avanço da biotecnologia e lançamentos e fusões e aquisições.

Portanto, atualmente, entre as principais vantagens do setor podemos citar:

  • Crescimento da indústria farmacêutica – já que o mercado farmacêutico brasileiro teve um período de auge nos últimos dez anos;
  • Abertura de novas plantas – isto é, novas plantas de desenvolvimento e produção dentro e fora do país, como a Biolab Farmacêutica, laboratório com capital 100% nacional, que investirá cerca de R$450 milhões em um moderno complexo industrial para produção de 200 milhões de unidades/ano de várias classes de medicamentos, em Pouso Alegre, no Sul de Minas Gerais;
  • Aumento da capacidade produtiva – uma vez que a população brasileira busca cada vez mais por produtos farmacêuticos;
  • Estratégias de internacionalização – que tem como objetivo elevar o potencial do mercado farmacêutico brasileiro para outros países, ganhando assim mais agilidade e eficiência nas pesquisas e desenvolvimento de novas tecnologias e fórmulas.

10.                   Como saber se o mercado farmacêutico está dando certo para seu negócio?

O conceito de sucesso é relativo, não é mesmo? Mas, para saber mesmo se o seu negócio está indo bem no mercado farmacêutico é preciso analisar os números. Como dito anteriormente, é controle de fluxo de caixa que determinará se ele está sendo superavitário ou não. A partir do planejamento e controle do plano estratégico elaborado no início você conseguirá determinar se o seu negócio está dando certo ou não.

As metas estão sendo atingidas? As estimativas em faturamento e lucro estão sendo alcançadas? Há perspectivas de crescimento e expansão do negócio? Respondendo a essas questões rapidamente já é possível ter uma noção se o negócio está satisfatório ou não.

Todos os números apontados neste conteúdo são positivos em relação ao mercado farmacêutico, desta forma, se o seu negócio apresenta dados opostos, certamente algo não está certo e esse é o momento de procurar um profissional para prestar uma consultoria ou mentoria para ajudar o seu negócio a crescer com solidez financeira.

Entretanto, vale ressaltar ainda que um dos melhores termômetros para medir se o negócio está dando certo ou não é, além do profissional ser feliz e realizado com o que faz, ter um bom atendimento ao cliente e perceber esse reconhecimento por parte deles. Somados todos esses fatores, é possível ter um balanço do posicionamento do seu negócio no mercado farmacêutico e analisar se ele é positivo ou não.

11. Conclusão: Expectativas do mercado farmacêutico para 2020

Num panorama mundial, o mercado farmacêutico deve movimentar R$1,3 trilhão até 2020, já que há uma crescente demanda por medicamentos e tratamentos preventivos. Além disso, o Brasil deve subir duas posições no ranking mundial até 2023, pulando para 5ª posição, sendo que até 2018 encontrava-se na 7ª posição.

A expectativa é que para 2020 em vez da indústria farmacêutica tratar exclusivamente populações doentes, o foco maior seja em prevenir doenças das populações ainda saudáveis. Entrando assim no domínio da gestão de saúde, com a ação de programas de bem-estar, vacinações, acompanhamento, monitoração e outros serviços com valor agregado. Como mencionamos anteriormente no conteúdo, o intuito é transformar as farmácias em consultórios farmacêuticos básicos capazes de atender as demandas simples da população

Desta forma, a cooperação internacional pode vir ainda em 2020 produzir um sistema regulatório que seria administrado por agências nacionais que garantiriam que os novos tratamentos e serviços oferecidos atendessem às demandas e as necessidades dos pacientes em seus territórios.

Por hora, só resta acompanhar as perspectivas positivas para o setor – que não são poucas – e para aqueles que já possuem seus negócios, se adequarem às tendências de 2020 e dos próximos anos, e para quem está começando a investir agora, aproveitar as inúmeras oportunidades e vantagens que o mercado farmacêutico tem proporcionado, se adequar e ter diferenciais competitivos para se destacar no setor.

Rolar para cima